Jair A. Pauletto
O Singular do Plural
Capa Textos E-books Fotos Perfil Livros à Venda Contato Links
Textos
Fico com uma certa tristeza e também um pouco decepcionado, quando vejo pessoas queridas, amigos e principalmente meus mestres, não aos assensos, estes é outa conversa, mas chamo de mestres todos aquelas pessoas que de uma certa forma foram mais importantes, tiveram um papel mais significativo, no meus despertar. Não que eu esteja totalmente desperto, ainda tenho muitos downloads para fazer, enfim muito a aprender, mas acredito que sai do sono profundo, embora tenha que admitir que ainda tenho esses sentimentos, mesmo que cada vez menos frequentes, mas isso é assunto, meu, trabalho meu, em fim é coisa de minha responsabilidade, o que estou querendo me referir é que estas pessoas que de alguma forma foram (e ainda são) tão importantes para mim se perderam em algum lugar no caminho, pelo menos é o que parece, quem sou eu para julgar. Meu sentimento de gratidão permanece, afinal foi através delas que fui aprendendo a fazer escolhas mais acertadas, mais adequados e mais felizes, pois cresci com que aprendi com todas elas. Agora diante de tudo que estamos vivendo, emoções e reações exacerbadas, radicalismo em tudo e em todos, dualidade e divisão intensas, manipulações de todos os lados e dimensões, ver estas pessoas sendo absorvidas por tudo isso, causa-me esses sentimentos e até uma certa dor. Mas não posso me deixar abater por essa tristeza e decepção, são escolhas, devo respeitar, sei muito bem disso, mas não é nada fácil, então o que me reata e aceitar, procurar entender e seguir minha vida. Não sou melhor que eles, apenas diferente, apenas vejo o que eles não vem e eles certamente devem pensar que continuo cego, dormindo, isso para dizer o mínimo, mas todos sabemos que não importa o que eles pensam ou principalmente o que eu penso...segue o jogo. Vejo-os absorvidos pela manipulação, mas os compreendo, afinal estamos vivendo a terceira guerra mundial, sob ameaça de armas muito mais perigosas que tanques e misseis. Portanto é compreensível certas distorções, então respeitemos e principalmente respeitemo-nos. Mas tenhamos todo o cuidado para não chocarmos as ideais dos outros, porque estamos cercados de chupins ou sei lá qual for o pássaro, que costuma colocar seus ovos no ninho alheio, e os outros pássaros os chocam alimentam e criam os filhotes pensando serem deles. Cuidado tem muitas cabeças cheias de ideias plantadas sem que seus donos percebam. Ver que um sistema de “verdades”, mesmo que temporárias e transitórias, de conhecimento e luz, esta se perdendo por falta de vigilância, por permitirem que um vírus, um vírus que tem muitos adjetivos, conseguiu se instalar e danificar todo um processo pessoal de iluminação, todo um sistema coletivo de transmutação, em fim contaminar-se pelo inconsciente coletivo é decepcionante, sim! Por fim sei que a responsabilidade é individual, sem qualquer egoísmo, mas também sei que é preciso dar uma sacudida no coletivo para retomar o caminho, para despertar e deixar de ser fonte transmissora e sustentadora dessa ilusão que aprisiona. Deixar de absorver essa sutil manipulação que é introduzida junto com verdades distorcidas...
Pronto, falei, é isso. Obrigado, de nada!

 
Jair A Pauletto
Enviado por Jair A Pauletto em 17/12/2020
Alterado em 17/12/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários