Jair A. Pauletto
O Singular do Plural
Capa Textos E-books Fotos Perfil Livros à Venda Contato Links
Textos
Esportista exibicionista.
 
Para os apaixonados por esporte não tem tempo ruim. Faça sol ou chuva, lá estão eles praticando, suando, aperfeiçoando-se, enfim tentando superar-se. Essa busca de melhorar-se a cada dia, a cada competição é mais que profissionalismo é paixão pelo esporte. Testemunhei essa dedicação com o esporte várias vezes não somente nos estádios e ginásios de competição, mas especialmente nas praças e ruas em qualquer temperatura, sob chuva forte ou sob sol escaldante. Todavia, o que mais me impressiona não é a sintonia e o espírito de equipe dos esportes coletivos, fato que caberia uma profunda reflexão pela união e solidariedade, mas pelo empenho dos esportistas solitários, geralmente anônimos, que procuram ultrapassar o próprio limite, descobrindo novas potencialidades e prazer em superar-se.
Refiro-me especialmente aos atletas amadores, aqueles esportistas que encontramos correndo pelas ruas, ou exercitando-se num aparelho mal cuidado de uma praça qualquer. São pessoas de todas as idades, sexo e profissões que encontram no esporte ou no exercício diário o bem estar e o equilíbrio pessoal. Infelizmente não consigo ser um destes, mas me consolo em saber que também não sou um daqueles esportistas artificiais que saem por estes espaços se exibindo, mostrando a massa muscular que muitas vezes ultrapassa o limite da normalidade, parecendo um ser deformado ou anabolizado.
Esses “esportistas” exibidos sempre foram muitos e naturalmente salientes, geralmente garotões querendo impressionar as meninas, porém recentemente tenho observado um fenômeno inverso, ou seja,agora são as garotas que se exibem para os rapazes. Seria o desinteresse masculino ou talvez a preocupação com os números do IBGE que indicam uma quantidade de mulheres maior que a de homens? Prefiro pensar que seja a crescente e saudável onda de preocupação com a saúde e a descoberta dos benefícios de uma vida ativa. Sinceramente não sei, mas é inegável que cresce o número de garotas praticando atividades ao ar livre.
É fácil identificar as esportistas das exibicionistas. As esportistas concentram-se em exercitar-se, em superar seus limites e comparar seu próprio crescimento, enquanto as exibicionistas preferem exibir suas curvas buscando seus melhores ângulos, desfilam modelitos que mais parecem peças intimas do que roupas esportivas. Convido aqueles que acharem esse meu comentário exagerado para dar uma volta em alguma badalada praça de uma grande cidade e ver a grande quantidade de falsos esportistas se exibindo.
Não me cabe recriminar ninguém nem pretendo moldar o mundo ao meu olhar, porém percebo que este é um processo que ganha força em muitas praças, ofuscando a verdadeira beleza da saudável prática esportiva. Essa distorção da finalidade esportiva é mais um sintoma da grave situação social em que vivemos, na qual os verdadeiros valores já perderam importância e são facilmente substituídos por modismos. Assim como a prática esportiva serve para executar com perfeição cada movimento e alcançar vitórias ou para condicionar o corpo e a mente devemos aprender e adotar os mesmos princípios e procedimentos nas nossas atitudes diárias. É através do exercício diário que nos fortalecemos e aperfeiçoamos para os desafios da jornada. O adversário parece estar sempre melhor preparado que nós, criando dificuldades e fechando todos os espaços, impondo-se com força e dificultando qualquer tentativa de vitória. Na verdade é apenas um grande treino, um jogo no qual a chance de vitória é sempre muito grande, basta acreditar e executar os movimentos com perfeição.
Quanto ao adversário, este pode ser o vizinho ou um inimigo distante, seja quem for deve ser tratado com respeito, pois adversários são momentâneos, mas nossas ações e atitudes repercutem por toda a vida. No entanto, o adversário mais temível e implacável esta em nós mesmos nos confundindo, induzindo-nos a atitudes erradas e nos empurrando para o caminho da derrota. Observar o adversário interno como os desportistas estudam seus adversários é a melhor forma de combatê-lo.
A disciplina e a perseverança que empurram um atleta a enfrentar as adversidades do tempo para treinar e superar-se a cada combate, deve ser cultivada com cuidado afim de que estejamos preparados para enfrentar qualquer adversidade sem medo. Exceder os próprios limites, descobrindo-se forte e capaz só é possível mediante o experimento, o exercício, assim, pratique e descubra-se vencedor. Ser vencedor não é comparar-se ao melhor atleta, personalidade admirável ou ídolo qualquer é ser melhor a cada dia e buscar o aperfeiçoamento de forma continuada, tendo como referência a si mesmo.
Um verdadeiro vencedor não precisa se exibir, pois será admirado e reconhecido naturalmente, assim como os verdadeiros desportistas que, apesar de anônimos, são facilmente reconhecidos e diferenciados dos exibicionistas. A diferença não está exatamente na forma de exercitar-se ou na indumentária que vestem, mas sim no conteúdo, na essência do que praticam. Boa semana.

Jair A Pauletto
Enviado por Jair A Pauletto em 09/12/2010
Comentários