Jair A. Pauletto
O Singular do Plural
Capa Textos E-books Fotos Perfil Livros à Venda Contato Links
Textos

Carinho, uma necessidade humana.    

Ser bem tratado, recebido com carinho e atenção é tudo que sempre desejamos, seja pelos familiares, na busca de um serviço como cliente ou, simplesmente como turista. Passei por uma destas surpreendentes experiências de bom atendimento recentemente, ao ausentar-me da minha casa por alguns dias, em função de uma viagem de trabalho. A cortesia e o bom atendimento que recebi tornaram o trabalho mais agradável e amenizaram a saudade de casa, fato raro nos dias de hoje, uma vez que a prestação de serviços, de modo geral, ainda necessita de qualificação, principalmente na área do bem servir. O bom serviço, aliado as belezas naturais e a cultura regional que fazem de cada região deste país um país à parte e nos enriquece como pessoa, tornou minha viagem muito proveitosa.
Consequentemente, vivi dias agradáveis apesar de muito trabalho, mas o melhor mesmo de uma viagem, e o que realmente importa, é retornar para o mundo que construímos, seja para o familiar ou profissional. Neste sentido, fui surpreendido pela alegre recepção da Mandy, minha cadelinha, que como qualquer cão, me recebeu com muita festa. No entanto, as entusiasmadas demonstrações de contentamento com a minha presença e a clara manifestação do desejo de ser acarinhada, através de um de seus gestos típicos, ou seja, estirar-se no chão de barriga para cima passando a própria pata na região da bochecha. Fiquei um pouco surpreso, mas logo tudo ficou esclarecido quando os familiares me informaram da tristeza do pequeno animal pela minha ausência. Embora tenham me garantido que a rotina havia sido mantida, bem como todos os cuidados com o seu bem estar, percebi que ela estava carente, mesmo não sendo o único a acariciá-la ela sentia a falta do meu carinho e afeto. Necessitar de carinho e afeto é natural, até mesmo para um animal de estimação então, imagine para nos humanos, teoricamente dotados de sentimentos mais sensíveis.
Tudo isso me faz pensar na importância do carinho que, nós, humanos, tanto necessitamos e o quanto nos custa fazer uma pequena demonstração neste sentido. Demonstrar e dar um pouco de carinho às pessoas, seja através de gestos ou palavras nos engrandece e transforma à vida, tanto de quem o dá, quanto de quem o recebe. Tratar bem as pessoas é a primeira forma de carinho que podemos manifestar; é algo que vai além da boa educação; requer um estado de espírito adequado; um sorriso; um olhar sincero e acolhedor. Posso compreender perfeitamente que essa é uma questão que passa por vários pontos sociais, especialmente pela educação formal e aspectos culturais, entretanto não podemos deixar de considerar que a ausência destes não impede o autoconhecimeto, a busca do o próprio bem estar e a evolução pessoal.
Esses aspectos, verdadeiramente importantes, independem de qualquer fator exterior, pois são de carater pessoal, individual e, compreendê-los é um dos caminhos para uma vida mais feliz. Existe uma consciência maior que detém esse conhecimento e espera ser acessada para nos ajudar a crescer. Tudo isso pode ser obtido no próprio interior, observando a natureza em seus ciclos e diversidades, os próprios comportamentos ou simplesmente seguindo a verdadeira essência humana, pois até mesmo um ser irracional sabe que carinho, atenção e amor são obtidos através de um caminho de mão dupla e que quanto maior o fluxo mais riqueza e crescimento pessoal obteremos. Existem várias coisas, entre elas, o carinho, em que a melhor forma de aprender seu funcionamento e conhecer seus benefícios é praticá-lo, portanto não podemos mais perder tempo, a ordem é praticar.
Fico imaginado, que se um cachorro consegue demonstrar carinho para o seu dono e ao mesmo tempo deseja ser acarinhado, o que dizer de um pai ou um adulto qualquer que ignoram essa realidade. E olha que existem pessoas que sequer tem a sensibilidade de demonstrar um pouco de compaixão pelos animais, aliás, acredito que quem não gosta de animais dificilmente gosta de alguém. Então, imaginem os insensíveis que se privam de experimentar os benefícios do carinho, não manifestando qualquer gesto neste sentido, seja para dar ou receber? Devem ser pessoas extremamente inseguras, fechadas, infelizes, que não tem coragem de mostrar suas fraquezas, suas necessidades e principalmente compreender que é através delas que se tornarão verdadeiramente fortes, ou também sempre sobra à possibilidade de serem inferiores aos animais, mas esta não é uma condição natural, apenas uma opção errada de viver a vida.
Eu sempre gostei de animais, mas também não significa que eu consiga dar e receber carinho como gostaria ou deveria, mas também sei que exercitando se chega lá, muito menos que o fato de gostar de animais seja um indicador de sensibilidade e carinho. Quero apenas alertar que carinho, atenção e amor devem ser praticados com frequência, é uma necessidade em nossa vida e lembra que aqui também vale a lição de São Francisco, “pois é dando que se recebe”. Boa semana.

Jair A Pauletto
Enviado por Jair A Pauletto em 03/09/2009
Comentários